Pandemia e previdência privada: devo mudar meus planos para me aposentar?

Spread the love

Depois de analisar a queda da rentabilidade envolvendo a pandemia e previdência privada, o que fazer com seus planos de aposentadoria?

Nossa conversa sobre a pandemia e sua previdência privada continua neste novo texto. Na primeira parte, falamos sobre a queda da rentabilidade diante deste cenário, e hoje vamos discutir melhor em que situações você deve alterar seus planos ao investir nestes produtos.

Para facilitar o entendimento, destaco em separado as situações em que você deve considerar mudar alguma coisa na composição de seus investimentos em previdência privada.

Para refinar seus investimentos em PGBL ou VGBL, alinhando-os aos seus objetivos

Os especialistas recomendam investir seus fundos de previdência privada em ações de 50% a 80%, dependendo certamente da sua idade. Sua idade é relevante porque determina o cronograma de seu investimento.

Poupadores mais jovens e agressivos, com tempo e resistência emocional do lado deles, podem se inclinar para a marca dos 80%. Eles terão mais volatilidade, mas terão chances de obter retornos mais altos.

Poupadores mais velhos e mais conservadores devem ter uma porcentagem menor de ações. Isso proporcionará mais estabilidade, além de retornos mais adequados ao perfil.

Se você sentir a necessidade de agir nesse mercado, essa ação pode ser tão simples quanto reavaliar seu cronograma de aposentadoria e sua tolerância a riscos.

Você pode, por exemplo, decidir que a aposentadoria aos 60 anos não é realista, afinal, as oscilações do mercado alteraram seus planos mais do que o esperado.

Para atualizar suas opções de investimento

Outro bom motivo é atualizar suas participações nos planos empresariais (caso sua empresa ofereça esse benefício), olhando novas opções de fundos de tempos em tempos – essas adições podem ser melhores do que as que você investiu hoje.

Analise as opções atuais do fundo em relação ao que você possui. Se você gosta da composição de seu portfólio, procure fundos que tenham uma estratégia de investimento semelhante, mas com menores índices de despesas. Verifique as taxas de administração dos fundos.

Fale com seu corretor de seguros ou com um especialista e eles poderão te ajudar na melhor escolha e até mesmo na análise do seu plano atual.

Os esforços para conter a pandemia da COVID-19 fizeram com que o mercado de ações despencasse, no Brasil e no Mundo todo, encerrando o pior trimestre desde 2008 – e isso acertou em cheio muitos fundos de previdência privada.

Para aqueles que ainda estão longe da aposentadoria, isso não deve ser motivo de preocupação. Historicamente, o mercado sempre se recuperou após uma desaceleração, portanto, com tempo suficiente, seus investimentos também devem se recuperar.

Esse colapso do mercado de ações é mais preocupante para aqueles que já estão aposentados ou estão perto da idade da aposentadoria. Se você depende de suas economias para se sustentar na aposentadoria, um golpe forte como esse pode prejudicar todo o seu plano de aposentadoria.

A chave para enfrentar as tempestades do mercado de ações

Sempre há risco envolvido ao investir – o mercado de ações pode ser uma montanha-russa, com altos e baixos imprevisíveis. No entanto, se você deseja construir um ninho de ovos robusto o suficiente para durar até a aposentadoria, investir no mercado de ações é uma das maneiras de atingir esse objetivo.

A chave para criar riqueza e evitar o maior risco possível é garantir que seus ativos sejam alocados corretamente. Isso refere-se a como, exatamente, seus investimentos são diversificados.

Os investidores mais jovens normalmente investem mais fortemente em ações e menos em títulos, porque, embora as ações sejam mais arriscadas, elas também veem taxas médias de retorno mais altas.

Como esses jovens investidores têm tempo de sobra para economizar, eles podem enfrentar essas quedas de mercado e ver suas economias recuperarem antes de se aposentarem.

À medida que você envelhece, é importante ajustar sua alocação de ativos para investir mais em títulos e menos em ações. Você nunca sabe quando o mercado entrará em colapso e, se estiver chegando à idade da aposentadoria e a maior parte do seu dinheiro for investida em ações, uma crise do mercado poderá prejudicar seus planos de aposentadoria.

Então, como posso saber como alocar com segurança?

Se você é avesso ao risco, pode ser tentado a investir apenas em títulos ou ajustar sua alocação de ativos em relação a títulos, mesmo quando não estiver próximo da idade da aposentadoria. Mas lembre-se de que, embora as ações sejam mais arriscadas, elas ainda devem ter um lugar no seu portfólio.

Quando se trata de investir no mercado de ações, risco versus recompensa é um ato de equilíbrio complicado. Você deseja que suas economias cresçam o máximo possível, mas também deseja proteger seus investimentos caso o mercado de ações falhe.

Se esse colapso do mercado nos ensinou alguma coisa, foi a importância de equilibrar os investimentos adequadamente para evitar ser pego de surpresa quando o mercado for afetado por algo imprevisível.

Previdência privada: quanto preciso ter?

Alguns especialistas dizem que R$ 1 milhão em economias para a aposentadoria talvez nem funcione hoje em dia. E é compreensível que você fique acordado durante a noite pensando: terei o suficiente? Aqui está outra pergunta que vale a pena: como devo gastar o que tenho?

Se o seu ninho de ovos é de R$ 1 milhão, você precisará criar uma estratégia inteligente de como gastar seu dinheiro para não acabar com suas economias. A retirada de muito dinheiro no início de sua aposentadoria pode ter um efeito devastador no seu padrão de vida.

A maioria dos especialistas concorda que os aposentados precisarão de uma parte de suas economias ainda investidas no mercado de ações, onde os retornos são geralmente mais altos no longo prazo do que os produzidos por títulos ou certificados de depósito.

Mesmo assim, nem todos os ovos de ninho serão capazes de suportar um dreno anual de acordo com o padrão de vida de cada um. Há vários fatores que podem fazer com que seu orçamento varie de um ano para o outro, incluindo assistência médica e despesas de viagem.

De acordo com especialista da Wharton School (Universidade da Pensilvânia EUA, uma das maiores no mundo especializada em Previdência), existem as alternativas de “baldes”.

Eles dizem que normalmente existem dois baldes: um para retirada e outro para crescimento. Podem ser chamados de balde de curto e longo prazo. O balde de retirada deve ter o suficiente para cobrir suas despesas emergenciais mesmo que estejam em planos de previdência privada.

Atenção apenas as carências de resgate que cada instituição possui. O balde de retirada normalmente será investido em investimentos de baixo risco e alta liquidez.

Já o balde para crescimento será de longo prazo. Os investimentos nesse balde podem incluir investimentos mais voláteis e de maior risco, como ações.

Será importante que você encontre um equilíbrio entre os dois baldes, para garantir que eles não sejam muito conservadores ou arriscados.

Você também pode ter mais de dois baldes: um para economia de emergência ou outro para filhos e netos. Baldes de estilo de vida, como viagens ou filantropia, forçam alguma disciplina sobre quanto gastar nesses itens.

Quando a aposentadoria está chegando, o que fazer?

Os últimos cinco anos antes de se aposentar podem ser alguns dos mais críticos em termos de planejamento, porque você deve determinar nesse período se realmente pode se dar ao luxo de deixar o trabalho.

A determinação dependerá fortemente da quantidade de preparação que você fez até o momento e dos resultados dessa preparação. Se você estiver preparado financeiramente, pode ser necessário apenas manter seu programa e continuar com sua meta de aposentadoria.

Se você não estiver preparado, poderá aguardar quem sabe mais alguns anos, ou uma modificação do seu estilo de vida planejado para a aposentadoria. Uma das maneiras de planejar seus gastos na aposentadoria é usar seu orçamento atual como ponto de partida.

Em seguida, elimine/reduza as despesas que não serão mais aplicadas (como a gasolina que você usa para ir e voltar do trabalho) e adicione/aumente os itens que representarão novas despesas durante a aposentadoria como contas de serviços públicos mais altos, medicamentos, viagens de lazer e etc.

Se não houver muito que você possa fazer para reduzir suas despesas ou aumentar sua renda, sua melhor opção pode ser adiar a aposentadoria por mais alguns anos.

Quanto mais você trabalhar, mais tempo terá para reservar dinheiro e menos anos precisará contar com as economias da aposentadoria para se sustentar.

Não deixe de consultar seu corretor de seguros ou um especialista em planejamento e educação financeira. Certamente esses profissionais poderão lhe ajudar na melhor escolha de acordo com seu perfil de investimento.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.